segunda-feira, 1 de junho de 2015

Competência em informação e Acesso Aberto - Information Literacy Commons



Saiba mais sobre os mais recentes artigos sobre competência em informação (information literacy) e disciplinas relacionadas, autores em ascensão, instituições mais populares. Consulte.


quinta-feira, 2 de abril de 2015

Vídeo de Paul Zurkowski sobre Information Literacy



Nesta apresentação de vídeo realizada em 2014, Paul G. Zurkowski, responsável pela criação do termo information literacy em 1974, propõe o termo "Action Literacy" - a ação alfabetização. 

De acordo com Zurkowski, a Ação Alfabetização tenta preencher a lacuna entre a Competência em Informação Acadêmica e a necessidade do público em geral de ser capaz de navegar em um ambiente sobrecarregado de informações.

Zurkowski acredita que o público em geral em todo o mundo está precisando de capacitação para o desenvolvimento da competência em informação para que possa responder adequadamente às questões críticas tais como a segurança do emprego, os desafios da comunidade local, as preocupações de saúde e as questões educacionais. 

Ele também está muito preocupado com a corrupção crescente, a desconfiança pública, injustiça e desigualdade refletidas em muitas das democracias de hoje.

Como resultado, o Sr. Zurkowski estabeleceu de uma coalizão de ações dedicada à divulgação da competência em informação em âmbito mundial.

quinta-feira, 26 de março de 2015

Competência Científica e Competência em Informação - default do bibliotecário?

Recente artigo publicado pela ACRL (Association of College and Research Libraries), de autoria de Nathan Hall, intitulado The Information Literacy Gap in ScholarlyCommunication fortalece a ligação entre a Competência em Informação e a Comunicação Científica. 

Remete, ainda, ao documento de referência publicado pelo ACRL Working Group on Intersections of Scholarly Communication and Information Literacy, de 2013, intitulado Intersections of Scholarly Communication and Information Literacy: Creating Strategic Collaborations for a Changing Academic Environment. 

O Grupo de trabalho da ACRL expõe as mudanças observadas no ambiente acadêmico e científico. As práticas e a literatura confirmam que o papel dos profissionais da informação está mudando rapidamente, impulsionado pelo ambiente digital. Este é um movimento sem volta. Os autores do estudo afirmam que:

• Cada bibliotecário que atua em um ambiente acadêmico é um professor.

• Todas as funções da biblioteca acadêmica sofreram impacto e foram alteradas pela mudança da natureza da comunicação acadêmica e evolução da disseminação do conhecimento.

Portanto, cada bibliotecário tem um papel no ensino, seja formal ou informalmente, relacionado à comunicação acadêmica e científica. O Grupo de trabalho pressupõe que:

• A competência em informação é definida como um conjunto de habilidades e conhecimentos que exige que os indivíduos reconheçam quando informação é necessária e têm a capacidade de localizar, avaliar e usar efetivamente as informações necessárias. Ensinar estas habilidades sempre exigiu uma consciência implícita sobre as condições sociais, econômicas e legais que envolvem a comunicação em cada área de conhecimento. 

A fragmentação causada pelas tecnologias digitais associada ao acesso direto à informação nos obriga a adaptar nossas abordagens na preparação de usuários, capacitando-os a serem fluentes neste novo ambiente de informação.

• A comunicação científica refere-se ao conjunto de sistemas no qual os resultados de pesquisa são criados, registrados, avaliados, divulgados, preservados, e reformulados, tornando-se disponíveis para novas pesquisas.

A facilidade sem precedentes de reprodução e distribuição da informação, devido às tecnologias digitais, abriu oportunidades de compartilhamento de dados e resultados das atividades de pesquisa.  Tais desenvolvimentos ampliaram drasticamente as oportunidades de divulgação de ideias, pesquisas e dados, mas também colocaram novas pressões sobre a produção intelectual e científica, adicionando preocupações com a propriedade intelectual, direitos de acesso e disseminação da informação, e direitos autorais.


Neste cenário cresce também a exigência com relação aos profissionais da informação. Sob tais holofotes, a competência científica e informacional torna-se defaultOu seja, a competência esperada é definida por padrão, estabelecida pelo “fabricante”.  Estamos realmente preparados?

quarta-feira, 18 de março de 2015

International List of Official Government Website Portals

International List of Official Government Website Portals (updated 3/18/2015) - Prof. Woody Horton, Jr.

This is a selected listing of official government website portals (sometimes called official "gateways") that either provide, directly, a great deal of information for the public on many government programs, projects and services, or at least provide links to other sites for finding the needed information. 

We would like to thank the many information literacy experts who contributed this information to us so that we could compile this comprehensive listing. Thank you!

These portals (or "gateways") have information on various citizen benefits and services, business permits and licenses, entitlements for special sub-groups of the population such as disabled people, migrants and refugees, foreign workers and students, seniors, children, etc. Also, passport and visa information is often provided, and usually much more.

In some cases the site is available only in the official language(s) used by that country, but in other cases translations are provided for commonly used international languages such as French, Spanish, Portuguese, Russian, Chinese, Arabic, English, and so on.

Often you can just add a suffix at the end of the URL to bring up the language you require if it is available (e.g. /en for English; /fr for French; /de for German; /es for Spanish, etc.). Often you can also just use the format: http://www.countryname.abbreviationforgovernmentinlanguageused.twodigitcountrycode

There are several organizations which are tracking e-government programs, such as Global Voices, Global EDGE, and Nations Online Project. However most of these e-Government programs are still evolving, and are incomplete.

There is also a useful site in Spanish that permits you to search for Latin America e-government programs: http://redgealc.org/home/red-gealc/es/

In some cases, there is no single portal for the entire government so you must check each Ministry for the information you need.

In a very few cases we are forced to rely on private sector sites because no public sites are available.

If: (1) your country is missing; (2) you have one or more links for your country's official government website (not necessarily in English), which you would like to add; (3) you believe we've made an error in listing an inappropriate site; or (4) you find a broken link, please emailf.w.hortonjr@att.net

Afghanistan
http://www.nationsonline.org/oneworld/afghanistan-government.htm

Albania
http://www.nationsonline.org/oneworld/albania-government.htm

Algeria
http://www.nationsonline.org/oneworld/algeria-government.htm

Andorra
http://www.erepublic.org/egovincountriesa/andorra.html

Angola
http://www.governo.gov.

Antigua & Barbuda
http://www.erepublic.org/egovincountriesa/andorra.html

Argentina
http://www.argentina.gob.ar

Armenia
http://gov.am
https://www.e-gov.am/
http://www.mfa.am/en/visa/
http://iyerevan.am

Aruba
http://www.erepublic.org/egovincountriesa/arubanlterritory.html

Australia
http://www.gov.au

Bahamas
http://www.bahamas.gov.bs/wps/portal/public/gov/government/!ut/p/b1/04_Sj9CPykssy0xPLMnMz0vMAfGjzOKNDdx9HR1NLHzdTQ3MDDxDA3wcA8w9jPy9jYAKIoEKDHAARwNC-sP1o_AqMTGAKsBjhZ9Hfm6qfkFuhEGWiaMiALGJzU0!/dl4/d5/L2dBISEvZ0FBIS9nQSEh/

Bahrain
http://www.bahrain.bh/wps/portal/!ut/p/a1/hc_BCoJAEAbgZ-ng1RnXiq3bKlhJi5BRupew2FbDXDHTHr9NugRFc5vh-4cZEJCAqLKuUFlb6CorX72YHpYRTh1CSRjFAUVGd3zhzQIXF64BqQH4oxj-y8eygj2IgSHhvrMakxA5N1nqbdbbwEek5A8we97g9x0hCFXq4_BTyqqjSxWIRp5lIxv73phx3rb13EIL-763ldaqlPZJXy38lsj1rYXkU0J9TR6ry6Ts1mz0BOkAAIU!/dl5/d5/L2dBISEvZ0FBIS9nQSEh/

Barbados
http://www.gov.bb/bigportal/big/

Belarus
http://www.belarus.by

Belgium
http://www.belgium.be/

Belize
http://www.belmopancityonline.com/belize-government-websites.aspx

Benin
http://www.erepublic.org/egovincountriesb/benin.html

Bolivia
http://www.bolivia.gob.bo

Bosnia and Herzegovina
http://www.fbihvlada.gov.ba/english/

Botswana
http://www.gov.bw/

Brazil
http://www.brasil.gov.br/

Brunei
http://www.bruneiresources.com/bruneiweblinks.html

Burkina-Faso
http://www.erepublic.org/egovincountriesb/burkinafaso.html

Burundi
http://www.burundi-gov.bi/

Cambodia
http://www.cambodia.org/

Cameroon
http://www.spm.gov.cm/index.php?L=1

Canada
http://www.servicecanada.gc.ca/eng/home.shtml
http://www.canada.ca/en/

Cape Verde
http://www.governo.cv/

Cayman Islands
http://www.gov.ky/portal/page?_pageid=1142,1&_dad=portal&_schema=PORTAL

Central African Republic
http://www.rca-gouv.net/

Chad
http://globaledge.msu.edu/global-resources/resource/4573

Chile
http://www.chile.gob.cl

China
http://www.gov.cn

Colombia
http://www.colombia.co/
http://wp.presidencia.gov.co/Paginas/Default.aspx

Comorros
http://www.beit-salam.km/

Costa Rica
http://www.costarica.gob.cr

Croatia
http://www.balkanalysis.com/croatia/government-ministries/

Cuba
http://www.gksoft.com/govt/en/cu.html

Cyprus
http://www.cyprus.gov.cy/portal/portal.nsf/citizen_en?OpenForm

Czech Republic
http://www.vlada.cz/en/

Democratic People's Republic of Korea
http://korea-dpr.com/

Democratic Republic of Congo
http://www.sadc.int/member-states/dr-congo/

Denmark
http://Denmark.dk

Djibouti
http://www.erepublic.org/egovincountriescid/djibouti.html

Dominica
http://www.dominica.gov.dm/

Dominican Republic
http://www.dominicanrepublic.gob.dr

Dubai
http://www.dubai.ae/en/pages/default.aspx

Ecuador
http://www.ecuador.gob.ec

Egypt
https://www.egypt.gov.eg/mobile/arabic/home.aspx

El Salvador
http://www.elsalvador.gob.sv

Equatorial Guinea
http://www.guineaecuatorialpress.com/noticia.php?id=982&lang=en

Eritrea
http://globaledge.msu.edu/global-resources/resource/4584

Estonia
http://www.gksoft.com/govt/en/ee.html

Ethiopia
http://www.ethiopia.gov.et/government

Finland
http://www.worldwide-tax.com/finland/fingov.asp

France
http://www.gouvernement.fr/ More "institutional"
http://www.service-public.fr/ More "practical"
http://www.legifrance.gouv.fr/ More "legislation"
https://www.data.gouv.fr/fr/ More "statistical"

French Guiana
http://unpan1.un.org/intradoc/groups/public/documents/tasf/unpan024218.pdf

Gabon
http://www.guineaecuatorialpress.com/noticia.php?id=982&lang=en

Gambia
http://www.gambia.gm

Germany
http://www.bundesregierung.de/
https://www.deutschland.de/
https://www.bund.de

Ghana
http://www.ghana.gov.gh/

Grenada
http://www.grenada.gov.gd

Guadeloupe
http://www.guadeloupe.gov.gp

Guatemala
http://www.guatemala.gob.gt

Guinea
http://www.nationsonline.org/oneworld/guinea.htm

Guinea Bissau
http://www.gbissau.com/?page_id=1127

Guyana
http://www.guyana.gov.gy

Honduras
http://www.honduras.gob.hn

Iceland
http://www.worldwide-tax.com/finland/fingov.asp

India
http://m.india.gov.in/

Indonesia
http://www.indonesia.go.id/en/

Iran
http://www.en.ir/
http://www.iranonline.com/iran/iran-info/government/link.html
http://www.parstimes.com/gov_iran.html
http://www.president.ir/en

Iraq
http://www.egov.gov.iq/egov-iraq/index.jsp?sid=1&id=159&pid=1&lng=en

Ireland
http://www.gov.ie

Israel
http://www.gov.il/firstgov/english

Italy
http://www.governo.it/

Ivory Coast
http://www.gouv.ci/Main.php
Site de la primature (Côte d’Ivoire) : http://www.primaturecotedivoire.net/
Site de la présidence de la République de Côte d’Ivoire :http://www.presidence.ci/

Jamaica
http://www.jamaica.gov.jm

Japanese
http://www.kantei.go.jp/
http://japan.kantei.go.jp/index.html (English)

Jordan
http://www.jordan.gov.jo/wps/portal/!ut/p/c5/04_SB8K8xLLM9MSSzPy8xBz9CP0os3gDCyNfXxd3J18LAzNjN3dPD2cDKNAPB-nAVGFqDFcBkccBHA30_Tzyc1P1C7Kz0xwdFRUBWEs8-A!!/dl3/d3/L0lDUmlTUSEhL3dHa0FKRnNBL1lCUmZ3QSEhL2Vu/

Kazakhstan
http://www.kazakhstaninvestment.com/kazakhstan-official-websites/

Kenya
http://www.kenyarep-jp.com/kenya/government_e.html

Kiribati
http://www.pso.gov.ki/

Korea
http://korea.go.kr/eng/index.jsp

Kosovo
https://www.rks-gov.net/en-us/pages/fillimi.aspx

Kuwait
http://www.e.gov.kw/sites/kgoenglish/portal/pages/citizensandresidents.aspx

Kyrgyzstan
http://www.kg.undp.org/content/kyrgyzstan/en/home/presscenter/pressreleases/2014/09/23/government-introduces-new-communication-tools-with-a-population.html

Laos
http://www.tourismlaos.org/show.php?Cont_ID=360

Latvia
http://www.worldwide-tax.com/latvia/latgov.asp

Lebanon
https://www.lebanonohio.gov/index.aspx?NID=27

Lesotho
http://www.gov.ls/

Liberia
http://www.micatliberia.com/

Libya
https://www.temehu.com/Libyan-Websites.htm

Liechtenstein
http://www.liechtenstein.li/en/

Lithuania
http://www.lietuva.lt/en/

Macedonia
http://www.vlada.mk/?language=en-gb

Madagascar
Presidency : www.presidence.gov.mg
Government (Prime Ministry) : www.primature.gov.mg
Foreign Affairs : www.mae.gov.mg
CSI (Good governance and integrity) : www.csi.gov.mg

Malawi
https://www.malawi.gov.mw/

Malaysia
https://www.myeg.com.my/

Maldives
http://www.themaldives.com/government/maldives-government-ministries.html

Mali
http://www.primature.gov.ml/

Marshall Islands
http://www.rmiembassyus.org/

Martinique
http://www.martinique.gov.mq

Mauritania
http://www.erepublic.org/egovincountriesmmo/mauritania.html

Mauritius
http://www.govmu.org/English/Pages/default.aspx

Mexico
http://www.mexico.gob.mx

Micronesia
http://www.fsmgov.org/

Moldova
http://www.moldova.md/

Monaco
http://www.monaco.gov.mc

Mongolia
http://zasag.mn/

Montenegro
http://www.gov.me/en/homepage

Morocco
http://www.maroc.ma/en/content/list-government

Mozambique
http://www.portaldogoverno.gov.mz/

Myanmar
http://www.ourweb.info/01/directory/myanmar/005/

Namibia
http://www.gov.na

Nauru
http://www.naurugov.nr/

Nepal
http://www.nepal.gov.np/

The Netherlands
http://www.rijksoverheid.nl/

New Zealand
https://www.govt.nz/

Nicaragua
http://www.nicaragua.gob.ni

Niger
http://www.gouv.ne/

Nigeria
http://nigeriamasterweb.com/govtfrmes.html

Norway
https://www.regjeringen.no

Pakistan
http://www.pakistan.gov

Palau
http://palaugov.org/executive-branch/ministries/

Palestine
http://palestine.dk/palestine/government/

Panama
http://www.panama.gob.pa

Papua New Guinea
http://www.tanorama.com/pngsrch_govt_links.html

Paraguay
http://www.paraguay.gob.py

Peru
http://www.peru.gob.pe

Philippines
http://www.gov.ph/
http://data.gov.ph/

Poland
http://www.polska.pl/en/

Portugal
http://www.portugal.gov.pt/pt.aspx
and in English:
http://www.portugal.gov.pt/en.aspx

Puerto Rico
http://www.puertorico.gob.pr

Republic of Congo
http://www.congo-site.com/

Rwanda
http://www.gov.rw/home/

Russia
http://government.ru/

Quatar
http://www.onlineqatar.com/info/official-websites.aspx

Saint Barthélemy
http://www.comstbarth.fr/

Samoa
http://www.samoagovt.ws/

San Marino
http://www.gksoft.com/govt/en/sm.html

São Tomé and Principe
http://www.gov.st/
http://www.emb-saotomeprincipe.pt/governo.html

Saudi Arabia
http://www.saudi.gov.sa/wps/portal/yesserRoot/home/!ut/p/b1/04_Sj9CPykssy0xPLMnMz0vMAfGjzOId3Z2dgj1NjAz8zUMMDTxNzZ2NHU0NDd29DfX9PPJzU_ULsh0VAfxykw0!/dl4/d5/L0lDUmlTUSEhL3dHa0FKRnNBLzRKVXFDQSEhL2Vu/

Senegal
http://www.erepublic.org/egovincountriesqse/senegal.html

Serbia
http://globaledge.msu.edu/global-resources/resource/5763

Seychelles
http://www.egov.sc/

Sierra Leone
http://www.sierra-leone.org/government-websites.html

Singapore
http://www.gov.sg/government/web/content/govsg/classic/home

Slovakia
http://www.slovakia.org/links.htm

Slovenia
http://www.gov.si/en/

Somalia
http://www.somaligov.net/

South Africa
http://www.gov.za/

Spain
Job and Social Security: http://www.empleo.gob.es/index.htm
Each Autonomous Community (e,g.Madrid)
http://www.madrid.org/cs/Satellite?pagename=ComunidadMadrid/Home
Public open data:
http://datos.gob.es/

St. Kitts & Nevis
http://sknis.info/

St. Lucia
http://www.govt.lc/

St. Vincent & Grenadines
http://www.gov.vc/

Suriname
http://www.gov.sr/

Swaziland
http://www.gov.sz

Sweden
http://www.government.se/

Switzerland
http://swissinfo.ch
http://admin.ch

Taiwan
http://www.taiwan.gov.tw/mp.asp?mp=999

Tajikistan
http://www.parlament.tj/en/

Tanzania
http://www.government.se/

Thailand
http://thailand.prd.go.th
http://www.gksoft.com/govt/en/th.html

Timor-Leste
http://timor-leste.gov.tl/

Togo
http://www.republicoftogo.com/Toutes-les-rubriques/In-English

Tonga
http://www.mic.gov.to/media-a-ict/working-with-media/3781-tonga-government-ministries-and-departments

Tunisia
http://www.pm.gov.tn/pm/content/index.php?lang=en

Turkmenistan
http://turkmenistanembassy.org/government-contact-directory/

Turks & Caicos
http://tcimall.tc/government/

Tuvalu
http://www.tuvaluislands.com/gov_addresses.htm

Uganda
http://www.kenyarep-jp.com/kenya/government_e.html

Ukraine
http://www.kmu.gov.ua/control/en

United Arab Emirates
http://www.kmu.gov.ua/control/en

United Kingdom
http://www.uk.gov

United States of America
http://www.usa.gov

Uruguay
http://www.uruguay.gob.uy

Uzbekistan
http://www.gov.uz/en

Vanuatu
https://ogcio.gov.vu/

Vatican City
http://www.vaticanstate.va/content/vaticanstate/en/stato-e-governo.html

Venezuela
http://www.venezuela.gob.ve

Vietnam
http://chinhphu.vn/
http://thanhgiong.

Virgin Islands
http://www.gov.vi/

Yemen
http://www.al-bab.com/yemen/gov/gov.htm

Zambia
http://www.zambia.gov.zm/

Zanzibar
http://Zanzibar.go.tz

Zimbabwe
http://www.zim.gov.zw/

segunda-feira, 12 de janeiro de 2015

DECLARAÇÃO SOBRE A IMPORTÂNCIA DOS BIBLIOTECÁRIOS ESCOLARES

Declaração Política NFIL
Fórum Nacional de Competência em Informação (NFIL)

DECLARAÇÃO SOBRE A IMPORTÂNCIA DOS BIBLIOTECÁRIOS ESCOLARES CERTIFICADOS



11 de dezembro de 2014

Em termos gerais, o documento destaca que, para serem bem sucedidos na faculdade e em uma carreira, os alunos do nível médio devem ter uma capacidade avançada para encontrar, usar e comunicar informações em vários contextos. No entanto, muitos empregadores  e faculdades denunciam a falta de habilidades do século 21 relacionadas à competência em informação, tanto em novos funcionários quanto alunos do primeiro ano. Esse déficit gera um grande custo que acaba por demandar programas de orientação e de remediação, enquanto o ensino fundamental e médio é que devem ser o locus para o progressivo desenvolvimento dessas habilidades. Os bibliotecários escolares são os mais qualificados para uma parceria com os professores de sala de aula para cultivar esses conhecimentos, habilidades e atitudes nos alunos; professores não aprendem como ensinar essas competências durante seus programas de formação.

Nas escolas do século 21, a biblioteca escolar é um espaço coletivo físico e virtual de aprendizagem onde a leitura, a investigação, a descoberta, o pensamento, a imaginação e a criatividade são fundamentais para os alunos em sua jornada da informação ao conhecimento, e para o seu crescimento pessoal, social e cultural. Cerca de 60 anos de investigação internacional agora documenta a biblioteca escolar como uma parte essencial da educação contemporânea.

No atual cenário, os centros de mídia nas bibliotecas têm sido um destaque. Os alunos não podem aprender a encontrar e utilizar informações de forma eficaz e se envolver na aprendizagem ao longo da vida, se eles não têm a orientação profissional e recursos para aprender isso durante o processo educacional formal. Especialmente notável é que a competência em informação é um equalizador para estudantes advindos de meios desfavorecidos.

Portanto, o Fórum Nacional de Competência em Informação (NFIL) afirma que todos os alunos devem ter formação progressiva e integrada aos temas escolares em competência de informação, situação que é favorecida pela liderança de bibliotecários escolares e a manutenção de uma infraestrutura adequada na biblioteca escolar. Todos os professores devem trabalhar com um bibliotecário escolar contratado em tempo integral, certificado ou licenciado, como parceiro no ensino e aprendizagem a partir de uma utilização eficaz de informações-chave para a aprendizagem ao longo da vida. A NFIL apoia fortemente a legislação sobre o financiamento adequado para recursos e profissionais qualificados que atuem em bibliotecas escolares e uma política que irá incutir a competência  em informação em todos os membros da sociedade.

segunda-feira, 17 de novembro de 2014

Tese de doutorado analisa a competência em informação na Espanha



RESUMO 
Atualmente, tem-se enfocado, no âmbito das pesquisas científicas, a responsabilidade social do bibliotecário em sua atuação frente à sociedade da informação. Nesse contexto,  compreende-se que a formação desse profissional deve abarcar conteúdos que enfoquem o seu papel social, sobretudo no que concerne às questões referentes à Competência Informacional, dado que o bibliotecário tem sido apontado como o responsável por promover, implementar e desenvolver programas desta natureza nas instituições de ensino. A presente investigação teve como objetivo analisar como a Competência Informacional e os conteúdos de formação pedagógica têm sido abordados nos cursos Biblioteconomia no Brasil e de Informação e Documentação na Espanha, caracterizando-se como uma pesquisa de cunho exploratório, documental e comparativo, realizando-se a análise dos currículos, dos planos de ensino e de entrevistas com professores que ministram a disciplina acerca do tema. Deste modo, a análise dos resultados foi realizada tanto de forma qualitativa como quantitativa. Como resultados, no Brasil, constatou-se que há 10 disciplinas de Competência Informacional, sendo que sete são de caráter obrigatório e três são optativas; a nomenclatura mais utilizada é Competência Informacional. Na Espanha, quatro são optativas e uma de formação básica; há uma normatização quanto ao uso do termo alfabetização em informação ou alfabetização informacional. O conteúdo da maioria das disciplinas que abordam o tema inclui o conceito, os programas, os locais de aprendizagem e o papel educacional do bibliotecário, considerando-se que poucos cursos de Biblioteconomia possuem disciplinas de didática ou da área de educação que possibilitam aos alunos compreenderem o sistema de ensino, sua forma de organização, suas teorias de aprendizagem. No âmbito espanhol, não são oferecidas disciplinas da área de educação. Entretanto, os alunos têm a opção de cursá-la como disciplina optativa em outros cursos. Considera-se que alguns cursos de Biblioteconomia e de Informação e Documentação têm voltado seu olhar para a Competência Informacional, com a inserção de disciplinas que abordem a temática em seus currículos. Entretanto, no âmbito espanhol, a maioria destas disciplinas é de caráter optativo, o que contrasta com a realidade do país, uma vez que, existe considerável aceitação acerca do tema por parte da classe bibliotecária e por haver programas desta natureza em variadas instituições de ensino superior. No Brasil, a maioria das disciplinas de Competência Informacional é de caráter obrigatório. Esse fato pode ser considerado um importante avanço nesta área, observando-se que o tema é relativamente recente neste contexto, ainda que poucos cursos a ela tenham aderido até o presente momento. Porém, há outras disciplinas que também citam ou abordam o tema de forma significativa. Desta maneira, acredita-se que a Competência Informacional vem ganhando cada vez mais espaço, tanto no Brasil quanto na Espanha, mesmo que possuam algumas divergências.

quinta-feira, 13 de novembro de 2014

ECIL 2014 - European Conference on Information Literacy 2014 - Resumos das comunicações

Já estão disponíveis os resumos das comunicações apresentadas na segunda Conferência Européia sobre Competência em Informação, que ocorreu em Dubrovnik, Croácia, em outubro de 2014. 

Saiba mais em: 



domingo, 12 de outubro de 2014

Metaliteracy - um novo conceito ou uma visão adicional?

Um conceito associado à competência em informação tem ganhado destaque. Trata-se da Metaliteracy.

Segundo seus defensores, a metaliteracy promove o pensamento crítico e colaboração em uma era digital, com efetiva participação nas mídias sociais e comunidades online. É uma construção unificada que suporta a aquisição, produção e compartilhamento de conhecimento em comunidades on-line colaborativas. A metaliteracy pressupõe desafiar abordagens tradicionais baseadas na competência em informação, incorporando tecnologias emergentes.

Saiba mais em: http://metaliteracy.cdlprojects.com/what.htm

terça-feira, 10 de junho de 2014

III Seminário de Competência em Informação


IMPORTÂNCIA DO EVENTO

Trata-se de evento que ocorre em sua terceira edição cuja contribuição é considerada altamente relevante para a área de Ciência da Informação no Brasil, uma vez que a temática envolvida – Competência em Informação – é ainda emergente no nosso contexto e necessita de criação de base teórica, o que se acredita ser possível com o intercâmbio entre os pesquisadores e profissionais que estarão participando e que possuam expertise nessa área, contribuindo com as lições aprendidas e que se acham focadas nas redes de conhecimento colaborativo.
OBJETIVO

Consolidar a criação de espaço de reflexão, discussão e compartilhamento de experiências e práticas sobre a Competência em Informação e sua articulação com as Redes de Conhecimento Colaborativo, desenvolvidas por pesquisadores e profissionais nas Redes, Sistemas, Unidades ou Serviços de Informação e desenhar cenários e tendências nessa área em diferentes contextos.

quinta-feira, 27 de março de 2014

Curso sobre "Competência em Informação para Bibliotecários" - EaD

Competência em informação para bibliotecários - FEBAB - inscrições abertas.

Período do Curso: 12 de maio a 11 de julho de 2014
Prof. Dra Elizabeth Adriana Dudziak 
Plataforma Moodle
Carga horária: 50 horas
Inscrições on-line abertas - http://febab.org.br/?page_id=838
Apresentação do curso
Hoje, mais do que nunca, os profissionais da informação (como o bibliotecário, o analista de informações e o documentalista), necessitam ser competentes em informação. Isto significa ser um expert no domínio de habilidades, conhecimentos e atitudes que capacitam o indivíduo a lidar com a totalidade do ciclo informacional. Além disso, cabe ao profissional da informação promover meios e implementar ações educacionais que tornem crianças, adolescentes e adultos competentes em informação.
Ementa 
Apresenta o conceito de competência em informação (information literacy) e suas nuances, assim como proporciona uma oportunidade de reflexão e modificação da visão que o profissional da informação tem de sua própria atuação. Inclui: origem e evolução do conceito, características e componentes, modelos de processos e paradigmas, bases pedagógicas da educação voltada à competência informacional, atuação do profissional da informação e procedimentos para aprimoramento de sua própria competência em informação.
Objetivo


Aprimorar conhecimentos, habilidades e atitudes relacionados à competência em informação. Os eixos teóricos baseiam-se numa visão sócio-construtivista que leva em conta a formação do bibliotecário - profissional competente em informação - como resultante de um processo que relaciona teoria e prática. 
A cada aula o aluno é avaliado. O foco é o processo de aprendizagem. Atividades orientadas são solicitadas na forma de confecção de pequenos textos/resenhas sobre os temas e/ou pesquisas específicas a serem realizadas na internet. Recomenda-se que antes de executá-las, o aluno reforce as leituras a partir dos conteúdos das aulas e dos textos indicados. A frequência de participação nos fóruns com temas ligados às aulas e chats semanais também é considerada

Conteúdo programático
Módulo 1 – O significado da competência em informação
Aula 1 – Introdução ao conceito de competência
Aula 2 – Origem e conceituação da competência em informação
Aula 3 – Componentes da competência em informação
Módulo 2 – Implementando ações voltadas à competência em informação
Aula 4 – A atuação do profissional da informação
Aula 5 – Como aprimorar sua competência em informação
Aula 6 – Bases pedagógicas e didáticas
Base conceitual
O curso foi elaborado a partir de referenciais teóricos e práticos internacionalmente reconhecidos e divulgados a partir da IFLA e da UNESCO.
Mini-currículo
Graduação em Biblioteconomia – 1984 (Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo).
Mestrado em Ciência da Informação – 2001 (Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo) com a dissertação “Information literacy e o papel educacional das bibliotecas”.
Doutorado em Engenharia de Produção – 2007 (Escola Politécnica, Universidade de São Paulo), com a tese “Lei de inovação e pesquisa acadêmica”.
Atualmente é Professora titular da UNIP no Instituto de Ciências Humanas e também atua no Departamento Técnico do Sistema Integrado de Bibliotecas da Universidade de São Paulo. Pesquisa o tema da competência em informação (information literacy) desde 2000.